sexta-feira, 25 de fevereiro de 2011

Os dias passam, passam as horas... E nada muda! Pensei que tivesse encontrado a fórmula da felicidade, mas na verdade, era o veneno que mataria meu ego. Meu arco-íris perdeu a cor, meu sorriso ficou sem graça, o meu olhar entristecido! A vida escorreu entre os meus dedos, e eu não tenho forças para segurá-la! O filme da minha vida está pausado; não posso voltar, não posso adiantar, tenho apenas que esperar o "play”, para poder regravar o que está arranhado. Não adianta chorar pelo que passou, nem cruzar os dedos para o que virá; pensei que pudesse abrir os braços para abraçar o presente, mas agora eu vejo que tenho que sentar-me na poltrona da minha história, assistir aos vídeos da minha existência e esperar o próximo lançamento, onde o meu espírito não seja nem a vitima nem o vilão, não faço questão do protagonismo, apenas participar com a vitória é o que eu desejo. Não quero que esse erro se repita: entregar o lápis da minha vida, para que outra pessoa escreva a minha própria história, me colocando como figurante sem nenhum papel de importância; também não quero fazer da minha vida um rascunho, pois pode não dar tempo de passar a limpo! E a vida segue... Conflituosa e calma, triste e alegre, "Doce e irônica”, e viva como sempre!

Amanda B. Souto.

Se você quer saber minha opinião Amanda,ficou demais,muito lindo mesmo.
Se considere uma poetisa, e talentosa...

2 comentários:

  1. aaah! esse é o texto da mulher de matheus? ;D
    muito bom ^^

    ResponderExcluir